sábado, 31 de março de 2012

Saudades...


Saudade
Dizem que saudade
é algo que acontece e passa.
Mas como esquecer alguém
que me mostrou o caminho do amor?
Como apagar da linha do tempo
o sofrimento esperançoso
deixado pela ponte da distância?
Que nuvens teriam a audácia
de encobrir tão terno olhar?
Com que autoridade
os ventos arrastariam
a felicidade para outro lugar?
Não basta a crueldade do relógio
apontando as horas
que demoram para passar?
Saudade... acontece e não cessa.
É um nó que aperta a garganta,
a dor no peito de conter o choro,
o grito da alma
quando a lágrima fica presa.

Sem saber do futuro
Unindo a dor e a solidão
Imaginando a face da morte
Como única salvação
Ilusão e amargura
Divagando em todo o ser
Impedem a alegria de viver,
O coração de bater.